PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PARA AS AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS DE ESPORTE NA ESCOLA

A melhor forma de atividade sem dúvida alguma é a do jogo. Embora o jogo sirva como uma base, ele é muito mais importante do que desporto pelo “prazer, alegria e integração que proporciona, pelo seu espírito lúdico que humaniza, valoriza e satisfaz o homem de imediato”(Facca e Borsari, 1974).

O desporto, por sua vez, “exige técnicas que, não sendo bem entendidas, individualizam e escravizam o homem”(op.cit.).

O professor deve estender bastante a fase de jogo, que é onde se fixam valores morais, éticos e políticos de uma maneira mais clara e viva, pois as regras surgem como decorrência da própria necessidade de organização. É importante que sejam tomados certos cuidados, principalmente no sentido de não exagerar na exigência da qualidade do movimento.

“A aprendizagem é individual e o grupo heterogêneo. Assim, às vezes,o método do trabalho pode causar constrangimento para aqueles que têm maior dificuldade de assimilação e necessitam de maior exercitação das habilidades.” (Andrade, 1973)

O professor deverá fazer uso alternado das atividades em forma de jogo e de trabalho a fim de manter sempre motivação. Mesmo quando desenvolve um trabalho mais técnico, o professor não pode deixar de utilizar recursos que tornem as atividades propostas mais agradáveis e envolventes.

Como conteúdo, serão dadas atividades que estimulem não só a área motora, como também a cognitiva, através da Educação Física, Ginástica, Jogos e Desportos.

A estratégia do presente trabalho é propor uma linha evolutiva onde, através do conhecimento, levamos o aluno a descobrir o movimento como forma de desenvolvimento necessário a todos os seres vivos. Ele também sentirá a necessidade.

1. Temporada do Atletismo

1.1. Considerações e Objetivos

Segundo Kriny (1975), “o atletismo é um desporto natural, utilitário e pode servir de base num programa escolar de Educação Física”. Partindo de atividades naturais, possibilita o desenvolvimento de movi­mentos ou “gestos esportivos ou atléticos” básicos em todas as demais modalidades desportivas.

Para as escolas, o atletismo se apresenta como uma modalidade que não requer muito material e não traz despesas para os alunos.

Sabendo das dificuldades encontradas pelos colegas, aconselhamos a improvisação de material como uma medida de emergência.

Como sugestão, daremos alguns exemplos de materiais improvisados:

a) Prancheta auxiliar para o salto em distância: usar uma tábua de 50 cm de comprimento, 30 cm de largura, 30 cm de altura na parte anterior e 10 cm na parte posterior;

b) Colchão para queda no salto em altura: Juntar quantos pneus forem necessários, com um mínimode 16. Amarrar uns aos outros e colocar sobre eles colchões de ginástica de solo.

Ao final da temporada de atletismo o aluno deverá:

A – na área cognitiva:

1. Reconhecer a necessidade dos fundamentos do atletismo na sua vida;

2. Ser capaz de transmitir noções sobre o atletismo;

3. Conhecer algumas regras e técnicas de atletismo.

B – na área motora:

1. Executar corrida de velocidade;

2. Executar corrida de revezamento;

3. Executar salto em altura;

4. Executar salto em distância;

5. Executar arremesso de pelota;

6. Usar as técnicas do atletismo para aprimorar os movimentos necessários para serem aplicados em sua vida.

1.2. Conteúdo da temporada do Atletismo

O conteúdo da temporada de atletismo compreende:

A – na área cognitiva:

1. O atletismo;

2. A corrida compreende;

3. O salto;

4. O arremesso.

B – na área motora:

1. Ginástica formativa;

2. Salto em altura: estilos tesoura, rolo ventral e “Fosbory flop”;

3. Exercícios naturais; ·

4. Jogos;

5. Arremesso de pelota;

6. Corrida de velocidade;

7. Arremesso de peso;

8. Corrida de revezamento 4 x 100 metros;

9. Salto em distância; estilo grupado;

10. Testes práticos

1.3. Estratégia da Temporada de Atletismo

A temporada é iniciada através de uma minicompetição utilizando os exercícios naturais de correr e de saltar a fim de motivar os alunos a desenvolverem suas habilidades nessas atividades.

Nesta temporada recomendamos a criação de uma seqüência pedagógica da corrida de resistência que deverá ser desenvolvida durante o aquecimento. Na parte principal de cada aula sugerimos ao professor seqüências pedagógicas específicas a cada atividade, usando, sempre que possível, atividades em forma de jogo.

1.4. Avaliação da Temporada da Atletismo

A avaliação será feita da seguinte maneira:

A – Conhecimentos: ( Este critério deve ser utilizado para todos os jogos que serão citados neste trabalho)

Prova escrita ou chamada oral com o conteúdo exposto.

B – Habilidades Específicas:

Testes de habilidades elaborados pelo professor, com as atividades desenvolvidas na temporada: Corrida de velocidade, corrida de revezamento, corrida de resistência, salto em distância, salto em altura e arremesso de peso.

C – Atitudes: ( Este critério deve ser utilizado para todos os jogos que serão citados neste trabalho)

A avaliação das atitudes deverá ser feita durante toda a temporada. Sugerimos que o professor observe os seguintes critérios: Espírito de luta, responsabilidade, participação, acato às regras e respeito aos companheiros.

2. Temporada de Handebol

2.1. Considerações e Objetivos

Desporto atraente pela maneira de se jogar, o handebol faz com que as pessoas sintam prazer em praticá-lo, “permitindo habilidades no manejo da bola e de potencialidades como a velocidade, a força, a agilidade e a destreza” (Facca e Borsari, 1974).

Este esporte possui regras simples. Exige constante movimentação e proporciona considerável melhora na condição física do aluno. No handebol, a bola é jogada com as mãos, por isso, este desporto desenvolve habilidades atléticas e permite que os alunos tenham um bom desempenho. Além disso, por ser coletivo, faz com que o aluno desenvolva um bom domínio corporal.

Ao final da temporada, o aluno deverá ser capaz de:

A – na área cognitiva:

1. Transmitir noções sobre o Handebol;

2. Conhecer algumas regras e técnicas do jogo;

3. Conhecer algumas táticas do jogo;

4. Conhecer as principais penalidades do jogo.

B – na área motora:

1. Executar diferentes tipos de passe, de condução de bola e de arremesso;

2. Executar as principais penalidades;

3. Jogar Handebol dentro de um sistema tático.

2.4. Avaliação da Temporada de Handebol

A avaliação da habilidade na temporada de handebol de salão será feita da seguinte maneira:

Serão realizados testes práticos sobre os fundamentos de handebol.

Sugerimos ao professor que elabore testes sobre os seguintes fundamentos, desenvolvidos na temporada: Manejo da bola, passes, fintas, arremesso, condução de bola e exercícios defensivos.

Durante os testes deverão ser observados, principalmente, a direção da bola, a naturalidade, a coordenação dos movimentos e o domínio de bola.

3. Temporada de Basquetebol

3.1. Considerações e Objetivos

O basquetebol é um desporto completo. A corrida, o salto, o passe e o arremesso constituem a base desse desporto. “Os movimentos necessários à prática desse desporto melhoram o jogo das articulações, desenvolvem os músculos e aumentam a capacidade cardiorespiratória e funcional dos pulmões” (Daiuto,1974).

A movimentação é constante, pois o jogador atua tanto no ataque como na defesa, dando numerosas arrancadas, alterando constantemente ­a velocidade e a direção da corrida, saltando e executando movimentos diversos. Tudo isso permite desenvolver rapidez, velocidade, agilidade, reflexos e resistência.

Segundo Medalha, 1974, este é um desporto de precisão, permitindo que o aluno desenvolva a percepção espaço-temporal, coordenação motora e acuidade visual.

O aluno nesse desporto desenvolve a audácia e a capacidade de subordinar os interesses pessoais aos interesses da equipe.

A cesta apresenta-se como um estímulo objetivo que desafia e estimula o aluno. A impressão de que é fácil acertar o arremesso estimula as tentativas, independentemente dos resultados obtidos.

A competição está sempre presente, desde o ato de arremessar até a marcação de um adversário. Existe sempre a disputa, por exemplo: um jogador tenta o arremesso, o adversário tenta o bloqueio enquanto os outros esperam para inter­vir, dependendo do desfecho da jogada.

O basquetebol faz com que o aluno perceba a necessidade de uma perfeita integração à equipe e desenvolva o espírito de colaboração.

Ao final da temporada de basquetebol, o aluno deverá:

A – na área cognitiva:

1. Transmitir noções sobre o basquetebol;

2. Conhecer técnicas;

3. Conhecer as táticas;

4. Conhecer as regras e

5. penalidades.

B – na área motora:

1. Jogar basquetebol;

2. Realizar os fundamentos do basquetebol;

3. Reconhecer a tática e saber se organizar na quadra;

4. Entender, respeitar e interpretar as regras do desporto;

5. Saber aplicar as penalidades do desporto.

3.2. Conteúdo da Temporada de Basquetebol

O conteúdo da temporada, compreende:

A – na área cognitiva:

1. O basquetebol;

2. Técnicas e táticas do basquetebol;

3. Regras e penalidades do basquetebol.

B – na área motora:

1. Ginástica formativa;

2. Jogos;

3. Jogos pré-desportivos;

4. Fundamentos: passes, parada brusca, rebote e arremessos;

5. Jogo propriamente dito;

6. Trabalho tático ofensivo e defensivo.

3.3. Estratégias da Temporada de Basquetebol

A linha evolutiva proposta, consiste em jogos pré-desportivos, exercícios fundamentais e no jogo propriamente dito.

A seqüência pedagógica do basquetebol é iniciada com um jogo pré-desportivo, o Basquetebol Gigante para Iniciantes. Através dele, o aluno percebe que, no desenrolar do jogo, o fator mais importante a atingir é a cesta e que o passe é a maneira mais eficiente e rápida de realizar esse objetivo.

Intencionalmente, não é colocada, nesta fase, a condução de bola, não só pela dificuldade que apresenta, mas pelo fato de o aluno não saber usa-la adequadamente, confundindo-a com o objetivo do jogo.

3.4. Avaliação da Temporada de Basquetebol

A avaliação da habilidade da temporada de basquetebol será feita da seguinte maneira:

Testes práticos elaborados pelo professor sobre os fundamentos do basquetebol, com os seguintes elementos: Manejo de bola, passes, fintas, arremessos, condução de bola, bandeja e marcação individual.

Recomendamos que durante a realização desses testes de habilidades não sejam mensurados os resultados, mas sim o modo de execução. O professor deve observar os seguintes critérios: Naturalidade, a direção da bola, a coordenação dos movimentos e o domínio da bola.

4. Temporada de Voleibol

4.1. Considerações e Objetivos

O voleibol é um desporto diferente dos outros, sendo um dos mais difíceis de ser joga­do. Ele tem características próprias:

1. Seu toque de bola é particular e específico. Não permite condução de bola;

2. O número de passes é limitado;

3. Seu campo épequeno e separado por uma rede, impedindo o contato pessoal;

4. A bola deve transpor a rede e cair no campo do adversário;

5. Não há tempo determinado para terminar a partida, que é jogada em sets de 15 pontos cada um;

6. É obrigatória a passagem dos jogadores pelas diferentes posições da quadra;

7. Pela maneira de ser jogado fazcom que o aluno se concentre durante todo o jogo, uma vez que cada falta individual dificilmente pode ser corrigida.

Tudo isso faz com que o voleibol seja um desporto altamente atlético e de equipe. Por exigir movimentação constante e atenção durante todo o tempo, desenvolve rapidez de movimento e raciocínio.

Exige pouco material e espaço e é excelente recreação para jovens e crianças.

É justamente sob este aspecto que deve ser ensinado o voleibol nas escolas, pois não podemos pretender uma boa iniciação ao voleibol, com perfeita fixação dos elementos básicos, se não o fizermos através da recreação.

Ao final da temporada de voleibol, o aluno deverá:

A – na área cognitiva:

1. Transmitir noções sobre o voleibol;

2. Conhecer técnicas, táticas, regras e penalidades do voleibol.

B – na área motora:

1. Jogar voleibol de maneira mais técnica;

2. Executar os fundamentos do voleibol: saque estilo tênis, cortada e bloqueio;

3. Executar os fundamentos através de exercícios combinados;

4. Usar a prática do voleibol para seu prazer e integração social;

5. Reconhecer a tática e saber se organizar na quadra;

6. Entender, respeitar e interpretar as regras do voleibol;

7. Saber aplicar as penalidades do voleibol.

4.2. Conteúdo da Temporada de Voleibol

O conteúdo da temporada de voleibol é mais limitado, devido ao alto nível técnico desse desporto, considerando o número de aulas da temporada. “Apenas com o treinamento dos fundamentos o aluno já tem elementos necessários para jogar voleibol dentro de um nível elementar.”(Medalha,1974)

O conteúdo da temporada de voleibol compreende:

A – na área cognitiva:

1. Voleibol;

2. Técnicas do voleibol;

3. Táticas do voleibol;

4. Regras e penalidades do voleibol .

B – na área motora:

1. Ginástica formativa;

2. Jogos;

3. Jogos pré-desportivos: voleibol gigante elementar, câmbio, voleibol para iniciantes evoleibol em fila;

4. Fundamentos: saque por Baixo, saque tênis, toque de bola por cima, manchete, corta­da e bloqueio;

5. Trabalho tático ofensivo e defensivo do voleibol;

6. Jogo propriamente dito.

4.3. Estratégia da Temporada do Voleibol

O voleibol é um desporto altamente técnico. A fim de despertar o interesse do aluno, ele é apresentado na primeira aula através de um jogo pré-desportivo, o voleibol elementar (poucas regras e preocupações técnicas).

O sucesso da iniciaçãoao voleibol depende da simplicidadecom que é apresentado. Sem fugir de suas características, através do voleibol elementar, o aluno sente-se capaz de jogá-lo.

Os fundamentos são desenvolvidos através de exercícios simples e combinados. De acordo com a seqüência pedagógica, o aluno aprende naturalmente o saque estilo tênis, a cortada e, por último obloqueio.

4.4. Avaliação da Temporada de Voleibol

A avaliação da habilidade da temporada de voleibol será feita através de testes práticos. Esses testes deverão ser elaborados pelo professor compreendendo os seguintes fundamentos: Saque por baixo, toque de bola por cima, toque de bola por baixo, cortada e bloqueio.

Sugerimos que, durante a realização desses testes de habilidades, não sejam mensurados os resultados, mas sim observadas as execuções.

5. Temporada de Futebol

5.1. Considerações e Objetivos

O futebol foi incluído na programação por ser um desporto altamente motivador, possuindo admiradores por todas aspartes do mundo. O brasileiro, de maneira geral, é possuidor ­de tendências inatas para o futebol. Porém é necessário que elas sejam desenvolvidas através de uma orientação adequada. Sejam orientadas por pessoas que conheçam não só o futebol como também a prática educacional.

A habilidade individual do jogador brasileiro é incomparável, mas é necessária uma disciplina tática para que uma equipe possa ter bom rendimento. A movimentação dos jogadores deve obedecer a um esquema tático.

Por isso, “cada vez mais, é solicitada a colaboração do professor de Educação Física no sentido de ­orientar os jovens na prática do futebol” (Rigo,1974).

Precisamos dar-lhes conhecimentos políticos e sócio-culturais que envolvem esse desporto, para que eles possam refletir melhor a realidade. É muito importante a aprendizagem do futebol e o jogar corretamente, mas igual­mente importante é que isto aconteça dentro de um espírito de equipe, de respeito aos companheiros e aos adversários.

Além disso, segundo Dietrich (1984), é necessário que os jovens percebam a necessidade do treinamento técnico e tático e do importante papel da preparação física. Precisam saber as regras e as penalidades do desporto.

Diante de tantos maus exemplos nos campos de futebol, nossa orientação também se faz necessária do ponto de vista moral. È preciso despertar o respeito às autoridades, ao juiz, ao bandeirinha e ao representante da Federação.

A inclusão do futebol em nosso trabalho visa preservar um desporto que é símbolo de nosso país.

Ao final da temporada de futebol, o aluno deverá:

A – na área cognitiva:

1. Transmitir noções sobre o futebol;

2. Conhecer técnicas e táticas do desporto;

3. Conhecer regras e penalidades.

B – na área motora:

1. Jogar futebol;

2. Realizar os fundamentos do futebol;

3. Reconhecer a tática e saber organizar umaequipe em campo;

4. Entender, respeitar e interpretar as regras do desporto;

5. Saber aplicar as penalidades do futebol.

5.2. Conteúdo da Temporada do Futebol

O conteúdo da temporada de futebol compreende:

A – na área cognitiva:

1. O futebol;

2. Técnicas e táticas do futebol;

3. Regras e penalidades do futebol.

B – na área motora:

1. Jogos pré-desportivos;

2. Fundamentos técnicos: manejo da bola, passe, condução da bola, chute, cabeceio;

3. Treinamento tático;

4. Trabalho tático ofensivo e defensivo;

5. Jogo propriamente dito.

5.3. Estratégia da Temporada de Futebol

A linha evolutiva proposta para o futebol consiste em jogos pré-desportivos, exercícios fundamentais, trabalho tático defensivo e ofensivo e no jogo propriamente dito.

A seqüência pedagógica inicia-se com o jogo simples de futebol — a popular “pelada” —com poucas regras, as mais necessárias para que o jogo funcione.

5.4. Avaliação da Temporada de Futebol

A avaliação da habilidade deste esporte compreende na elaboração de testes sobre os fundamentos desenvolvidos na temporada, ou seja, sobre o manejo da bola, os passes e fintas, chutes e cabeceio.

6. Temporada de Futsal

6.1. Considerações e Objetivos

Esse desporto é apaixonante, despertando interesse em todos os praticantes e atendendo assim à necessidade de competição e de lazer.

Por ser uma atividade intensa, desenvolvida numa quadra, com espaços menores do que o campo, exige uma preparação muito eficiente na parte técnica e tática, já que “ nesse desporto a velocidade , a precisão e a decisão nas jogadas interferem diretamente no resultado da partida” (Tolussi,1982).

Ao final da temporada de futsal, o aluno deverá:

A – na área cognitiva:

1. Transmitir noções sobre o futsal;

2. Conhecer técnicas e táticas do futsal;

3. Conhecer regras e penalidades do futsal.

B – na área motora:

1. Jogar futsal;

2. Realizar os fundamentos do futsal;

3. Reconhecer atática do futsal e saber organizar uma equipe na quadra;

4. Entender, respeitar e interpretar regras do futsal;

  1. Saber aplicar as penalidades do futsal.

6.2. Conteúdo da temporada

A linha evolutiva proposta para o futsal compreende:

A – na área cognitiva:

1. Considerações sobre o futsal;

2. Habilidades técnicas do jogador de futsal

3. Táticas do futsal;

4. Regras e penalidades do futsal.

B – na área motora:

1. Jogos pré-desportivos;

2. Trabalho tático ofensivo e defensivo;

3. Jogo propriamente dito.

6.3. Estratégia da temporada de futsal

A linha evolutiva proposta para o futsal, consiste nos jogos pré-desportivos, fundamentos técnicos, trabalho tático ofensivo e defensivo e no jogo propriamente dito.

A seqüência pedagógica inicia-se com um recreativo de futsal, com equipe composta por número elevado de componentes e com poucas regras, algumas adaptadas ou escolhidas pelos alunos, necessárias para que o jogo possa funcionar.

O jogo propriamente dito começará a ser praticado em caráter recreativo, com aplicação gradativa das regras.

O professor deverá ter sempre em mente que toda a sua atuação deverá estar de acordo com a realidade da escola e devidamente compatível com o estágio de desenvolvimento de seus alunos.

6.4. Avaliação da Temporada de Futsal

A avaliação da habilidade compreende em na elaboração de uma tabela sobre os fundamentos da temporada.

7. Temporada de Ginástica Olímpica

7.1. Considerações e Objetivos

De acordo com Dantas (1989), a ginástica olímpica é muito importante no tocante à determinação e autoconfiança que desenvolve no aluno.

Alguns exercícios não oferecem perigos, mas é recomendável, para evitar possíveis acidentes, que sua prática seja feita sempre dentro das normas de segurança e na presença do professor.

Recomendamos ao professor que procure atualizar-se a respeito das técnicas da ginástica olímpica e que tenha preocupação especial com o estado dos aparelhos. É necessária também uma atenção especial com relação à proteção que os alunos devem receber durante a execução dos exercícios.

Os exercícios foram colocados neste trabalho de forma progressiva e didática.

O aluno toma conhecimento do exercício e somente então passa para a prática, orientado pelo professor.

Ao final da temporada de ginástica olímpica o aluno deverá:

A – na área cognitiva:

1. Ser capaz de transmitir noções sobre ginástica olímpica;

2. Reconhecer técnicas de ginástica de solo e de aparelhos.

B – na área motora:

1. Executar a estrela, parada de três apoios e rodante, incluindo a execução de rolamentos ou cambalhotas;

2. Executar alguns saltos sobre o plinto trans­versal e longitudinal;

3. Executar exercícios elementares de entrada, balanço, subida, giro e saída da barra fixa;

4. Executar exercícios de adaptação na trave de equilíbrio.

7.2. Conteúdo da Temporada de Ginástica Olímpica

O conteúdo da temporada de ginástica olímpica compreende: Ginástica de solo ( rolamentos, parada de três apoios, estrela e rodante) e Ginástica de aparelhos ( saltos sobre o plinto, barra fixa e trave de equilíbrio).

7.3. Avaliação da Temporada de Ginástica Olímpica

A avaliação da temporada de ginástica olímpica consiste em testes práticos sobre os exercícios ensinados.

CONCLUSÃO

Conclui-se, por meio deste trabalho que, no desporto escolar, há prevalência da educação, do lazer e da saúde. Por ser uma atividade que não visa necessariamente a vitória, mas a competição em si, torna a prática mais atraente e interessante. O fator mais importante que o desporto oferece é o lúdico, o prazer do jogar livremente, na presença de adversários competidores, transmitindo ao praticante satisfação.

O desporto prepara o indivíduo para a vida, na qual as vitórias e as derrotas são alternantes constantes e deixa de lado a individualidade que muitas outras atividades físicas proporcionam. “Na convivência, o homem faz a história, não espera acontecer”(Pereira,1978).

O desporto escolar exige de seus praticantes uma disciplina que conduz a um comportamento adequado, a um julgamento sereno e imparcial, à noção do dever e às atitudes com valores morais e sociais positivos.

Neste modo, é muito importante que o aluno conheça os objetivos de cada temporada desportiva. Cabe ao professor mostrar as vantagens de conhecer e praticar cada um dos desportos que constam da temporada e seus objetivos.

Partindo dessa perspectiva, o desporto escolar exigirá do praticante uma conscientização desportiva que o leve a assumir, cada vez mais, responsabilidades na organização de sua vida e na comunidade.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

ANDRADE, C.: Coleção Educação Física Escolar.São Paulo: Esporte e Educação, 1973.

DAIUTO, M.: Basquetebol – metodologia de ensino.São Paulo: Esporte e Educação, 1974.

DANTAS, E.: Flexibilidade – alongamento e flexionamento.Rio de Janeiro: Shape, 1989.

DIETRICH, K.: O Futebol – aprendido e jogado corretamente.Rio de Janeiro: Ediouro, 1984.

FACCA, F., BORSARI, J.R.: Atletismo, Handebol, Urgências em Educação Física.São Paulo: E.P.U., 1974.

MEDALHA, J.: Basquetebol, Voleibol.São Paulo: E.P.U.,1974 (Coleção Manual de Educação Física).

PEREIRA, Pde.A.C.: Esporte – mais juventude, menos problemas.São Paulo: Paulinas, 1978 (Coleção Problemas da Juventude).

RIGO, L.: Futebol em 5 dimensões.São Paulo: Esporte e Educação, 1974.

TOLUSSI, F.C.: Futebol de Salão: Táticas – Regras – História.São Paulo: Brasipal, 1982.

TUBINO, M.J.G.: Dimensões Sociais do Esporte. São Paulo: Cortez, 1992 (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo). v. 44.

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s